O temporal associado a ventos fortes na tarde desta quarta-feira (16) no Litoral do Paraná foi ocasionado por uma linha de instabilidade que se originou nos Campos Gerais. O meteorologista Cesar Gonçalves Duquia, do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), confirmou o evento à Banda B, que estava sendo monitorado desde o início da tarde de ontem.

“Desde as 13 horas passamos a acompanhar a evolução do que a gente chama de linha de instabilidade, que é um alinhamento de aglomerado de nuvens que têm uma atuação bastante limitada, em uma pequena área, em uma explicação menos técnica. Ela se organizou aqui na região dos Campos Gerais entre o meio dia e às 13 horas. Ela foi se organizando ao longo desse trajeto, acabou se intensificando porque estava muito quente, já que ela vem propagando tempestade a medida que se desloca. Passou pela capital e, quando chegou na Serra do Mar, teve desenvolvimento ainda mais acentuado”, descreveu.

Segundo o profissional, está descartada a versão de que o Litoral do Paraná foi atingido por ciclone, conforme circula nas redes sociais. “Ela vem rápido, passa rápido, mas sempre acompanhada de temporais. De forma errada estão atribuindo isso a um ciclone, isso não existe. Ciclone é outro tipo de fenômeno, outra escala. Estamos falando em, no máximo, 60 quilômetros de comprimento, de largura dois a três quilômetros, se chegar. São coisas completamente diferentes”, explicou.

A intensidade dos ventos, que atingem velocidade de alta magnitude, podem confundir as características dos eventos naturais. “Diversos tipos de eventos severos trazem velocidade de vento semelhante, mas ontem foi mesmo uma linha de instabilidade”, completou o meteorologista Duquia.

Novas situações

Para o meteorologista, a região é bastante propícia pelo ambiente atmosférico. “Tem umidade disponível no ar e as temperaturas estão muito altas, principalmente entre a Serra do Mar e as praias. Existe uma condições propícia para que eventos como esse se organizem”, finalizou.