Falta menos de um mês para o início da temporada de verão 2018/2019. A estação mais quente do ano inicia oficialmente no próximo dia 21, às 19h23, estendendo-se até 20 de março de 2019, às 18h57.  Também no dia 21 será lançada a Operação Verão nas praias do Paraná, o que marca o início da temporada de férias. A expectativa é de grande movimento no período, principalmente enquanto durarem as férias escolares e com picos de fluxo no Réveillon, primeira semana de janeiro e o Carnaval. 
E se a muvuca e a algazarra devem rumar às praias entre o final deste ano e o começo do próximo, é natural também que a demanda sobre o setor público cresça na região, tanto é que a cada ano o Governo do Estado realiza a Operação Verão, aumentando a capacidade de atendimento no Litoral para as áreas de Segurança Pública e Saúde, por exemplo. 
Entre as instituições mais demandadas por conta do movimento de verão está o Corpo de Bombeiros, que só nos dois últimos verões (2017/2018 e 2016/2017) realizou 4.066 atendimentos nas praias do Paraná, com uma média de 23 atendimentos por dia, segundo dados levantados pela reportagem por meio do Sistema de Dados do Corpo de Bombeiros. 
A ocorrência mais comum de ser registrada nessa época do ano, em disparado, são as de afogamento, responsáveis por 51,4% (2.085) do total de ocorrências. Bem atrás aparecem os casos de acidentes de trânsito (9,5% do total, com 385 registros) e os atendimentos relacionados a problemas clínicos com risco iminente à vida (7,1%, com 288 registros). 
Completando a lista das ocorrências mais frequentes no litoral paranaense durante o verão temos ainda os casos de incêndio (em edificação, meio de transporte ou vegetação), que respondem por 4,9% dos registros, e os casos de queda de pessoa (4,9%, com 197 ocorrências). 
Um dado que chama a atenção, contudo, são os de captura e/ou remoção de animal ou insetos e também os ataques envolvendo esses bichanos. Nos dois últimos verões foram 172 casos de captura ou remoção (4,2%) e outros 61 de ataques envolvendo animais e insetos (1,5%). 

Hospital Evangélico alerta para alta nos casos de queimaduras

Nos últimos cinco dias, balanço feito pelo Serviço de Atendimento a Pacientes Queimados do Hospital Evangélico de Curitiba apontou um crescimento acima da média no número de pacientes que deram entrada no pronto-socorro do setor. Seis pessoas tiveram queimaduras na pele por exposição ao sol. Todas foram medicadas e puderam ser liberadas, mas passarão a ter acompanhamento ambulatorial para a checagem da evolução de cada paciente. 
O caso mais grave aconteceu com a explosão de uma churrasqueira durante uma atividade de lazer no último domingo na região de Curitiba. Um homem de 23 anos sofreu queimaduras em mais de 40% do corpo. A principal suspeita é que houve o uso de combustível veicular para o acendimento da churrasqueira. Um irmão da vítima também na faixa dos 20 anos ficou ferido.
A responsável técnica da ala de queimados, enfermeira Cynthia Veiga, chama a atenção para o fato de continuidade de ocorrências como as registradas em razão da chegada do período de férias e festas de final de ano. “As pessoas precisam estar alertas e tomarem cuidado, buscando a devida proteção na hora de ficarem expostas ao sol. Nos churrascos, sempre orientamos que não se deve fazer uso da gasolina e do etanol, pois são produtos de fácil combustão e capazes de resultar em fortes explosões, atingindo quem está por perto. Fica o alerta”, afirma Cynthia.