fbpx

Quem estiver planejando aproveitar o feriado de Carnaval no Litoral paranaense não pode mais perder tempo. É que a expectativa dos empresários é grande para “a festa da carne”, data que marcará também o final da temporada de verão. No setor de hospedagem, as reservas começaram a ser feitas há mais de um mês e boa parte dos estabelecimentos esperam alcançar a lotação máxima até o início das festividades. Restam poucas vagas.

De acordo com a Associação de Hotéis, Pousadas, Restaurantes, Bares, Casas Noturnas e Similares do Litoral Paranaense (Assindilitoral), pelo menos 1,5 milhão de pessoas devem descer a serra no final de fevereiro, um número seis vezes maior que a população total dos sete municípios do Litoral, de pouco mais de 265 mil habitantes. Carlos Dalberto Freire, presidente da associação, afirma que o Carnaval é sempre “muito bom” para o comércio da região.

“A expectativa, pelo que sentimos até aqui na temporada, é uma das melhores”, diz Freire, apontando ainda a possibilidade de uma boa surpresa para o Carnaval, a exemplo do que ocorrera no final de ano. “Mais de um milhão e meio de pessoas devem vir para a praia, como sempre acontece. Mas há quem acredite que possa até superar, porque neste ano também não esperávamos um movimento tão grande no Reveillon, e ele aconteceu”.

Algo que reforça as boas expectativas é a procura por hotéis e pousadas da região. A maioria dos estabelecimentos consultados está com praticamente metade dos quartos ou apartamentos reservados e a expectativa é alcançar a lotação máxima até o final de fevereiro.

Para não correr o risco de ficar sem ter onde pousar, o recomendado aos turistas é realizar a reserva com pelo menos uma semana de antecedência. “Por segurança pedimos para que reservem uma semana antes, que pode ter um imprevisto e, se for como o final de ano, de repente temos um dos melhores carnavais da história”, diz Freire.

As boas expectativas para o Carnaval é também um reflexo do movimento inesperado que o litoral paranaense registrou entre o final de 2016 e a primeira semana de 2017. Segundo a Assindilitoral, a expectativa inicial era de uma queda de aproximadamente 25% no movimento em comparação com o verão passado, mas o que acabou acontecendo foi algo totalmente diferente.

Deixe um comentário